sexta-feira, 21 de junho de 2013

Filosofia Medieval 1° Ano

O desenvolvimento do conhecimento durante a Idade Média conta com particularidades diversas que se afasta daquela errônea perspectiva que a define como a “Idade das trevas”. Contudo, a predominância dos valores religiosos e as demais condições específicas fazem do período medieval apenas singular em relação aos demais períodos históricos. Nesse sentido, o expressivo monopólio intelectual exercido pela Igreja estabeleceu uma cultura de traço fortemente teocêntrico.
Não por acaso, os mais proeminentes filósofos que surgiram nessa época tiveram grande preocupação em discutir assuntos diretamente ligados ao desenvolvimento e à compreensão das doutrinas cristãs. Já durante o século III, Tertuliano apontava que o conhecimento não poderia ser válido se não estivesse atrelado aos valores cristãos. Logo em seguida, outros clérigos defenderam que as verdades do pensamento dogmático cristão não poderiam estar subordinadas à razão.
Em contrapartida, existiam outros pensadores medievais que não advogavam a favor dessa completa oposição entre a fé e a razão. Um dos mais expressivos representantes dessa conciliação foi Santo Agostinho, que entre os séculos IV e V defendeu a busca de explicações racionais que justificassem as crenças. Em suas obras “Confissões” e “Cidade de Deus”, inspiradas em Platão, ele aponta para o valor onipresente da ação divina. Para ele, o homem não teria autonomia para alcançar a própria salvação espiritual.

A ideia de subordinação do homem em relação a Deus e da razão à fé acabou tendo grande predominância durante vários séculos no pensamento filosófico medieval. Mais do que refletir interesses que legitimavam o poder religioso da época, o negativismo impregnado no ideário de Santo Agostinho deve ser visto como uma consequência próxima às conturbações, guerras e invasões que viriam a marcar a formação do mundo medieval.

Contudo, as transformações experimentadas com a Baixa Idade Média promoveram uma interessante revisão da teologia agostiniana. A chamada filosofia escolástica apareceu com o intuito de promover a harmonização entre os campos da fé e da razão. Entre seus principais representantes estava São Tomas de Aquino, que durante o século XIII lecionou na universidade de Paris e publicou “Suma Teológica”, obra onde dialoga com diversos pontos do pensamento aristotélico.

São Tomás, talvez influenciado pelos rigores que organizavam a Igreja, preocupou-se em criar formas de conhecimento que não se apequenassem em relação a nenhum tipo de questionamento. Paralelamente, sua obra teve uma composição mais otimista em relação à figura do homem. Isso porque acreditava que nem todas as coisas a serem desvendadas no mundo dependiam única e exclusivamente da ação divina. Dessa maneira, o homem teria papel ativo na produção de conhecimento.

Apesar dessa nova concepção, a filosofia escolástica não foi promotora de um distanciamento das questões religiosas e, muito menos, afastou-se das mesmas. Mesmo reconhecendo o valor positivo do livre-arbítrio do homem, a escolástica defende o papel central que a Igreja teria na definição dos caminhos e atitudes que poderiam levar o homem à salvação. Com isso, os escolásticos promoveram o combate às heresias e preservaram as funções primordiais da Igreja.


Por Rainer Sousa
Mestre em História

A partir do texto e das aulas faça um comentário no blog explicando:
  • O pensamento de Santo Agostinho (Patristica)
  • O pensamento de São Tomás Aquino ( Escolástica) 
  • As diferenças entre esses dos pensamento
ATENÇÃO: Amanha será postado mais um trabalho de Filosofia do 1° ano, bem como as notas das Provas
  • Fazer ate Quinta feira dia 27/06/2013.

26 comentários:

  1. - O pensamento de Santo Agostinho era diferente de alguns de sua época, ele tentou explicar racionalmente as suas crenças, ele teve certa inspiração em Platão, e devido ao tempo em que vivia houve um certo negativismo em seu modo de pensar, para ele o homem dependia de Deus para alcançar a salvação

    - O pensamento de São Tomas era um pouco diferente do pensamento de Santo Agostinho, não havia tanto negativismo em relação ao homem, e nem todas as coisas eram dependentes de uma ação divina

    - Conclusão: podemos notar uma diferença entre o pensamento de Santo Agostinho e São Tomas, talvez devido a época em que viveram e como foram influenciados, as crenças de Santo Agostinho tinham uma visão mais negativa, já as de São Tomas eram mais otimistas.

    ResponderExcluir
  2. Aluno:João Paulo Lima Pinheiro nº16 1ºB

    Santo Agostinho: para Agostinho, o homem seria um ser incapaz de alcançar a sua salvação, que ele seria completamente dependente de Deus e da razão da fé
    Tomas Aquino: Aquino possuía uma visão mais otimista do homem, que ele seria capaz de realizar muitas coisas, principalmente poderia desvendar coisas no mundo não dependendo do divino. Mesmo com esse pensamento, ele não descarta o papel da Igreja de levar o ser humano a salvação.
    Diferenças: Agostinho acreditava que o homem era um ser que dependia completamente de Deus e Aquino já tinha outra visão, que o ser humano seria capaz de fazer muitas coisas sem depender do Divino

    ResponderExcluir
  3. João Pedro A.S.Parreiras----N°1726 de junho de 2013 07:47

    Santo agostinho acreditava na ideia de subordinação e isto dava a predominancia dos pensamentos filosoficos .

    Já São Tomas se referia mais a um estilo de liberdade pra cada homem


    Os ensinamentos que cada um apresentava se contro versam nas teorias.

    ResponderExcluir
  4. Santo Agostinho analisava a vida levando em consideração a psicologia e o conhecimento da natureza. Porém, o conhecimento e as idéias eram de origem divina. Para o bispo, nada era mais importante do que a fé em Jesus e em Deus. A Bíblia, por exemplo, deveria ser analisada, levando-se em conta os conhecimentos naturais de cada época. Defendia também a predestinação, conceito teológico que afirma que a vida de todas as pessoas é traçada anteriormente por Deus. As obras de Santo Agostinho influenciaram muito o pensamento teológico da Igreja Católica na Idade Média.

    Santo Tomas de Aquino seu maior mérito foi a síntese do cristianismo com a visão aristotélica do mundo, introduzindo o aristotelismo, sendo redescoberto na Idade Média, na Escolástica anterior, compaginou um e outro, de forma a obter uma sólida base filosófica para a teologia e retificando o materialismo de Aristóteles. Em suas duas summae, sistematizou o conhecimento teológico e filosófico de sua época: a Summa theologiae e a Summa contra gentiles.
    A partir dele, a Igreja tem uma Teologia (fundada na revelação) e uma Filosofia (baseada no exercício da razão humana) que se fundem numa síntese definitiva: fé e razão, unidas em sua orientação comum rumo a Deus. Sustentou que a filosofia não pode ser substituída pela teologia e que ambas não se opõem. Afirmou que não pode haver contradição entre fé e razão.
    Mayara Regina Sousa Rocha n°23 1°A

    ResponderExcluir
  5. Elisa Antoniel - Nº 7 1ª Serie "A"

    Santo Agostinho - Apresenta características negativistas que proporciona consequências que o se aproxima a conturbações, guerras e invasões que marcaram a formação do mundo medieval. Defendeu a busca de explicações racionais que justificassem a crença , ou seja, para ele o homem não era capaz de possuir autonomia para alcançar sua salvação espiritual, o homem era subordinado a Deus e a razão a fé.

    São Tomás de Aquino: Foi influenciado pelos rigores impostos pela organização da Igreja. Sua obra foi baseada em otimismo em relação à figura humana, pois para ele , nem todas as coisas a serem desvendadas dependiam exclusivamente de ações divinas dessa forma, o homem tem papel fundamental na produção de seu conhecimento. A filosofia escolástica destaca-se por promover combate a heresias ( falar mal de Deus, quebrar regras de normalidade, padrão , negação a Deus etc.) , preservando as funções primordiais da Igreja.

    Resumindo...

    Santo Agostinho: Homem é incapaz de realizar algo sem ajuda divina e a fé.

    São Tomas de Aquino: Homem possui capacidade de produzir seu conhecimento., valorizando as funções reais e primordiais da Igreja.

    ResponderExcluir
  6. Giovana Mallaguini26 de junho de 2013 14:37

    Escolástica ou Escolasticismo de São Tomás Aquino - Foi o método de pensamento crítico dominante no ensino nas universidades medievais europeias de cerca de 1100 a 1500. Não tanto uma filosofia ou uma teologia, mas como um método de aprendizagem, a escolástica nasceu nas escolas monásticas cristãs de modo a conciliar a fé cristã com um sistema de pensamento racional, especialmente o da filosofia grega. Colocava uma forte ênfase na dialética para ampliar o conhecimento por inferência e resolver contradições. A obra-prima de Tomás de Aquino, Summa Theologica, é frequentemente vista como exemplo maior da escolástica. Um dos maiores representantes do pensamento escolástico é o pensador citado acima: Tomás de Aquino Embora seja arriscado dizer que seja a única referência relevante do período medieval, Tomás conseguiu sintetizar questões discutidas através de todo o período pelo uso de caminhos mais eficazes na obtenção de respostas até então em aberto.
    Patrística de Santo Agostinho - É o nome dado à filosofia cristã dos primeiros sete séculos, elaborada pelos Padres ou Pais da Igreja, os primeiros teóricos daí "Patrística". Consiste na elaboração doutrinal das verdades de fé do Cristianismo e na sua defesa contra os ataques dos "pagãos" e contra as heresias. Foram os pais da Igreja responsáveis por confirmar e defender a fé, a liturgia, a disciplina, criar os costumes e decidir os rumos da Igreja, ao longo dos sete primeiros séculos do Cristianismo. É a Patrística, basicamente, a filosofia responsável pela elucidação progressiva dos dogmas cristãos e pelo que se chama hoje de Tradição Católica.
    A figura de maior destaque dessa corrente de pensamento cristão é Santo Agostinho.
    Diferença:
    São Tomas de Aquino, afirmava que a fé e as boas obras conduzem à salvação eterna.
    Santo Agostinho, dizia que a salvação do homem era alcançada, sobretudo pela fé.

    Giovana Mallaguini Nº 09 1°B

    ResponderExcluir
  7. Santo Agostinho,considerava o saber como o caminho para a compreensão da palavra sagrada. São Tomás Aquino formulou um sistema filosófico que conciliava a fé cristã com o pensamento de Aristóteles, algo que parecia impossível, até herético, para boa parte dos teólogos da época.

    ResponderExcluir
  8. Ademir Rodrigues Junior 0126 de junho de 2013 15:08

    ºO pensamento Patristica de Santo Agostinho diz que existe uma supremacia do corpo sobre o espirito,que a alma foi feita para comandar o corpo a sempre fazer o bem.
    ºJa a Escolastica dizia que a razão tem uma maior autonomia na obtençao de respostas em relaçao a fé, mais em nenhum momento nega a subordinaçao da razao a fé
    º Santo Agostinho fala no predomínio da fé, em detrimento da razão e Tomás de Aquino acredita na independência da esfera racional no momento de buscar as respostas mais apropriadas, embora não rejeite a prioridade da fé com relação à razão.
    º

    ResponderExcluir
  9. O pensamento de Santo Agostinho baseia-se em que,o homem não teria autonomia para alcançar a própria salvação espiritual.Essa ideia indica que o homem por si só não teria capacidade de encontrar o caminho correto. Já a ideia de São Tomás Aquino preocupou-se em criar formas de conhecimento que não se apequenassem em relação a nenhum tipo de questionamento.A diferenças de ideias é, que Santo Agostinho questionava sobre o homem e a sua salvação,já São Tomás Aquino questionava o conhecimento do homem e criar formas que não houvessem questionamentos.


    Thiago Pereira Corrêa Nº34

    ResponderExcluir
  10. Patrística: A influência dos primeiros padres cristãos na cultura Ocidental foi intensa.Inicialmente, lutaram para espalhar o cristianismo enquanto a religião, explica seus dogmas fundamentais à população em geral. Necessidade de explicar os preceitos ao povo. Muitas vezes, recorrem à filosofia, adaptando-a à fé religiosa, como forma de converter os pagãos, acostumados às reflexões racionais.O conjunto de pensamentos desses padres, um tanto heterogêneo, recebe o nome genérico de Filosofia Patrística.

    Escolástica: Os escolásticos tentam harmonizar ideais platônicas com fatores de natureza espiritual, à luz do cristianismo vigente no Ocidente.Mesmo depois, quando Aristóteles, discípulo de Platão, é contemplado no pensamento cristão através de Tomás de Aquino, o neoplatonismo adotado pela Igreja é preservado.O método adotado pela Escolástica se traduz através do ensino, fundamentado na lectio.A Escolástica foi profundamente influenciada pela Bíblia Sagrada, pelos filósofos da Antiguidade e também pelos Padres da Igreja.

    ResponderExcluir
  11. Aluna: Maria Eduarda Fogare Delamuta nº: 22

    São Tomás de Aquino tinha um conceito Aristotélico, e desenvolveu uma concepção hilemórfica do ser humano,definindo-o em dois elementos distintos: a matéria (potencialidade) e substancial (o princípio realizador). Os dois se unem na realidade do corpo e na alma do ser humano e dizia que ninguém podia viver sem os dois.

    Agostinho tem do mal como base da teoria platônica e dizia que nao era um ser, mas sim a ausência do bem. E Deus seria a personificação do bem, por isso nao existia o mal na criação divina. E o mal era fruto do livre-arbítrio que o ser humano tinha da liberdade e do conhecimento.

    ResponderExcluir
  12. André R. D. Baldo nº1

    Santo Agostinho defendia ações que justificassem as crenças ,em sua opinião o homem dependia de deus pois não tinha autonomia suficiente para alcançar a salvação espiritual,enquanto são Tomás achava que nem tudo estava ligado a deus e que o homem poderia obter conhecimento sem a ajuda de dele. A diferença entre as opiniões é que santo Agostinho acreditava que o homem era extremamente dependente de deus e são Tomás achava que o homem não era tão dependente de dele.

    ResponderExcluir
  13. Santo Agostinho : explicava os preceitos cristãos com pregação e conquista espiritual,ele explicava que o mal está no livre-arbítrio concedido por Deus, dizia que Deus é a bondade pura, que apesar da humanidade ter sido amaldiçoada através do pecado, ainda podia alcançar a salvação divina. Que com uma vida errada, a alma ficava presa ao corpo, mas com uma vida correta, seria salva.

    São Tomás Aquino
    Acreditava que a alma era criada por Deus para reinar sobre o corpo para praticar o bom, e um pecador é quem usa o livre arbítrio para o corpo reinar sobre a alma. Ele elaborou a sintese entre a fé e a razão a partir da escolástica.

    Diferença
    Para Agostinho, as idéias ou formas estavam no espírito de Deus, Aquino dizia que Deus é a causa da matéria e dos universos. Além disso, Deus está continuamente criando o mundo ao unir universo e matéria para produzir novos objetos.

    ResponderExcluir
  14. Matheus Farah Gebara n° 28 1°MB26 de junho de 2013 18:05

    Santo Agostinho
    Naquela época, varios filosofos surgiram tentando explicar as crenças cristãs, mas Santo Agostinha nao tentava explicar as crenças e sim a busca de explicações racionais que justificassem as crenças, nele empregnava o pensando do negativismo que era uma consequência próxima às conturbações, guerras e invasões que viriam a marcar a formação do mundo medieval.

    São Tomas Aquino
    Sao Tomas foi um dos principais representantes da escolástica com o dever de promover harmonia entre a razao e da fé, se preocupou em criar formas de conhecimentos que nao tinha nenhum tipo de questionamento, e acreditava ue nem todas as coisas a serem desvendadas no mundo dependiam única e exclusivamente da ação divina. Dessa maneira, o homem teria papel ativo na produção de conhecimento.

    Diferenças entre os pensamentos
    Para Agostinho a filosofia era a busca da felicidade e essa, para ele, era uma ”indagação da condição humana em busca da beatitude”.Porém Agostinho não encontrou na filosofia helênica esta beatitude e sim nas Sagradas Escrituras de Paulo de Tarso, é daí que surge o seu esforço de unir a razão à fé.
    Ja Tomás de Aquino, não acreditava em um mundo das idéias e sob influência do naturalismo aristotélico defenderá a existência de um mundo real, material. Esse mundo seria a criação divina – esta é uma das questões que surge ao seu tempo, a criação

    ResponderExcluir
  15. Santo Agostinho

    O sábio cristão afirmava que o homem só tem acesso ao conhecimento quando iluminado por Deus
    Agostinho, pela profundidade do seu sentir e pelo seu gênio compreensivo, fundiu em si mesmo o caráter especulativo da patrística grega com o caráter prático da patrística latina, ainda que os problemas que fundamentalmente o preocupam sejam sempre os problemas práticos e morais: o mal, a liberdade, a graça, a predestinação.

    São Tomás Aquino
    A Escolástica é a mais alta expressão da filosofia cristã medieval, filosofia ensinada nas escolas.
    Após uma longa preparação e um desenvolvimento promissor, a escolástica chega ao seu ápice com Tomás de Aquino. Adquire plena consciência dos poderes da razão, e proporciona finalmente ao pensamento cristão uma filosofia. Assim, converge para Tomás de Aquino não apenas o pensamento escolástico, mas também o pensamento patrístico, que culminou com Agostinho, rico de elementos helenistas e neoplatônicos, além do patrimônio de revelação judaico-cristã, bem mais importante.


    Aluna:Nathaly Souza n°32 1°B

    ResponderExcluir
  16. Jhonathan C. Fernandes Nº14 1ºMB26 de junho de 2013 18:56

    Para Santo Agostinho a filosofia era um modo de buscar a felicidade e, para ele era uma pergunta da condição humana em busca da Beatitude, porem Agostinho não encontrou na filosofia helênica esta beatitude e sim na sagrada. É dai que surge o seu esforço de unir razão e fé.
    Já para São Tomás Aquino, ele não acreditava em um mundo das ideias e sob influencia do naturalismo aristotélico defenderá a existência de um mundo real, material. Esse mundo seria uma criação divina - está é uma das questões que surge ao seu tempo, a criação.
    A diferença entre os dois era que, Santo Agostinho, dizia que a salvação do homem era alcançada, sobretudo pela fé, e já São Tomas de Aquino, afirmava que a fé e as boas obras conduzem à salvação eterna.

    ResponderExcluir
  17. Santo agostinho: para ele o homem deve dar privilegio as razões espirituais,o ser humano e aquele que tem livre arbitrio para escolher o que e melhor para ele,para ele a noção de liberdade nao e uma coisa positiva pois para se chegar a ela e preciso passar pela razaão a qual representa relações corpais assim fugindo das relações espirituais

    Sao Tomas de Aquino:ele buscava o conhecimento de uma forma que nao houve questionamento. Ele acreditava que nao era todas as obras dos seres humanos que tinha uma força divina.Seu pensamento foi influenciado por Aristoteles ele buscava um modelo educativo sempre influienciado pela teologia

    Diferença:Enquanto Santo Agostinho procurava estar mais perto dos conhecimentos espirituais, Sao Tomas de Aquino ao mesmo tempo que buscava isso se afastava dos valores espirituais

    Aluna: Isabella Tomazini nº 16

    ResponderExcluir
  18. Lavínia Mayumi Ito n° 21 1°ma

    Durante a Idade Média ocorreu o desenvolvimento do conhecimento, na qual um dos pensadores medievais foram Santo Agostinho e São Tomas de Aquino.
    Santo Agostinho defendia a ideia de que o homem não teria autonomia para alcançar a própria salvação espiritual, a ideia de subordinação do homem em relação a Deus e da razão à fé acabou tendo grande predominância durante vários séculos no pensamento filosófico medieval.
    Já São Tomas de Aquino,se preocupou em criar formas de conhecimento que não se apegassem em relação a nenhum tipo de questionamento, em suas obras teve uma composição mais otimista em relação à figura do homem, dessa maneira o homem teria um papel ativo na produção de conhecimento, porém mesmo assim ainda defendia a ideia da Igreja, que dizia que ela quem teria a definição dos caminhos e atitudes que poderiam levar o homem a salvação.
    A diferença entre esses dois pensamentos, é que Santo Agostinho fica mais do lado da Igreja, dizia que o homem só iria conseguir a salvação divina indo à Igreja. Tomás Aquino, apresentava os dois lados, o da razão, homens autônomos para conseguir chegar a salvação e o lado da fé,na qual o homem só iria conseguir a salvação com a ajuda da Igreja.

    ResponderExcluir
  19. Santo Agostinho:Afirmava que existia uma supremacia do corpo sobre o espírito,a alma seria feita por Deus.Tudo isso aconteceu porque Agostinho não encontrou a Beatitude na filosofia pois dai que teve o esforço de unir a razão com a fé.
    Tomás Aquino:Não acreditava em um mundo de ideias e sob influencias do naturalismo aristotético defendendo a existência de um mundo real,material.
    A relação entre os dois era que um acreditava na alma ou seja como por exemplo coisas abstratas(Deus).O outro acreditava nas coisas reais ou melhor coisas concretas.

    ResponderExcluir
  20. Jose Fernando Carvalho Nogueira27 de junho de 2013 14:37

    Santo Agostinho: Reinterpretou a tradição antiga, grega, romana e helenística, sob a ótica do cristianismo. Considerava o saber como o caminho para a compreensão da palavra sagrada. Por isso, os estudos teriam como finalidade o acesso à Verdade expressa no texto bíblico.

    São Tomás de Aquino: Numa época em que a Igreja Católica ainda buscava em Santo Agostinho e seus seguidores grande parte da sustentação doutrinária, Aquino formulou um sistema filosófico que conciliava a fé cristã com o pensamento de Aristóteles, algo que parecia impossível, até herético, para boa parte dos teólogos da época. Aquino elaborou a síntese entre a fé e a razão. Defendeu que um ensino enfadonho seria um obstáculo para a aprendizagem.


    DIFERENÇA: Santo Agostinho e São Tomás de Aquino foram, respectivamente, os maiores pensadores da Patrística e da Escolástica. Santo Agostinho valeu-se da filosofia de Platão, enquanto Santo Tomás de Aquino da de Aristóteles. Com isso, cada qual, em sua época, pode influenciar não só a religião católica como muitos pensadores cristãos que lhes sucederam.


    Tanto Santo Agostinho como Santo Tomás de Aquino afirmam que Deus, sendo eterno, transcendente, todo bondade e todo sabedoria, criou a matéria do nada e, depois, tudo o que existe no universo. Para Santo Agostinho as idéias ou formas estavam no Espírito de Deus. Santo Tomás de Aquino acrescenta a noção dos universais em seus raciocínios. Dizia que Deus é a causa da matéria e dos universais. Além disso, Deus está continuamente criando o mundo ao unir universais e matéria para produzir novos objetos.

    ResponderExcluir
  21. Tomas De Aquino : A partir dele, a Igreja tem uma Teologia e uma Filosofia : fé e razão, unidas em um so foco, Deus. Dizia que a filosofia não pode ser substituída pela teologia e que ambas não se opõem. Afirmou que não pode haver contradição entre fé e razão.
    Santo Agostinho :

    Santo Agostinho analisava a vida levando em consideração a psicologia e o conhecimento da natureza. Porém, o conhecimento e as idéias eram de origem divina.

    Para o bispo, nada era mais importante do que a fé em Jesus e em Deus. também a predestinação, conceito teológico,que afirma que a vida de todas as pessoas é traçada anteriormente por Deus.
    Bruna Bini n-04
    1 ano A

    ResponderExcluir
  22. Mylena Furlan n°:30 1°MB
    Santo Agostinho defende crenças e explicaçoes de instinto racional.
    Sao Tomas de Aquino tinha o mesmo pensamento de Aristóteles e colocava a razao em primeiro lugar.
    A diferença entre eles é que Santo Agostinho girava em torno de dualismos como exemplo o bem e o mal o corpo e o espirito , já Sao Tomas colocava a razao em primeiro lugar e tentava ate explicar a fé por meio racional

    ResponderExcluir
  23. São Tomás de Aquino: Numa época em que a Igreja Católica ainda buscava em Santo Agostinho e seus seguidores grande parte da sustentação doutrinária, Aquino formulou um sistema filosófico que conciliava a fé cristã com o pensamento de Aristóteles, algo que parecia impossível, até herético, para boa parte dos teólogos da época. Aquino elaborou a síntese entre a fé e a razão. Defendeu que um ensino enfadonho seria um obstáculo para a aprendizagem.
    Santo Agostinho: Reinterpretou a tradição antiga, grega, romana e helenística, sob a ótica do cristianismo. Considerava o saber como o caminho para a compreensão da palavra sagrada. Por isso, os estudos teriam como finalidade o acesso à Verdade expressa no texto bíblico.
    Diferença entre eles: Agostinho acreditava existir, como Platão, um mundo das ideias que era a perfeição, a verdade e um mundo real que era a representação imprecisa deste mundo ideal apreendida pelos sentidos sob diferentes formas. Santo Agostinho defendeu a ideia do mestre interior em que todo o conhecimento é alcançado dentro do próprio ser e somente através da iluminação divina pode-se chegar à verdade.
    Para Agostinho a filosofia era a busca da felicidade e essa, para ele, era uma ”indagação da condição humana em busca da beatitude” (PESSANHA, 1980 p.XIII).Porém Agostinho não encontrou na filosofia helênica esta beatitude e sim nas Sagradas Escrituras de Paulo de Tarso, é daí que surge o seu esforço de unir a razão à fé. A primazia entre fé e razão, uma sobre a outra não fica clara em Agostinho e existem diversos debates sobre o assunto, porém convém deixar claro que seu objetivo era o de conciliar os dois.
    Já Tomás de Aquino, não acreditava em um mundo das idéias e sob influência do naturalismo aristotélico defenderá a existência de um mundo real, material. Esse mundo seria a criação divina – esta é uma das questões que surge ao seu tempo, a criação. Ele aponta a apreensão do divino através da verdade da razão que não pode ser negada pela verdade revelada da fé, ambas precisam ser idênticas, do contrário a fé ou a razão não foram adequadamente empreendidas. Para Tomás de Aquino a verdade e o conhecimento também são alcançados através de um mestre interior, porém, não há a intervenção de uma luz divina para que se dê o conhecimento, ele já existe como potencialidade no interior do ser e cabe a este descobri-lo através do aprendizado, do estudo, da educação religiosa, da pedagogia.

    ResponderExcluir
  24. Ana Beatriz Brites Pereira27 de junho de 2013 16:27

    Para Santo Agostinho, o homem não conseguiria autonomia sem buscar a própria salvação espiritual. Ele buscava também explicar as crenças e tradições religiosas da época. Inspirava-se em Platão para compor suas obras e a presença da ação divina era indispensável.
    Já São Tomas Aquino, gostava de criar coisas que deixassem as pessoas com certa duvida, quisessem questionar sobre tal assunto. Paralelamente, criou uma imagem mais perfeita do homem. Acreditava que as coisas não eram feitas somente pelo poder divino e sim que o homem começou a ter papel ativo na sociedade.
    Patrística é o nome dado à filosofia cristã dos primeiros séculos, elaborada pelos padres da Igreja e pelos escritores escolásticos, consiste na elaboração doutrinal das verdades de fé do cristianismo e na sua defesa contra os ataques pagãos e contra as heresias
    Escolástica é uma linha dento da filosofia medieval, de acentos notadamente cristãos, surgida da necessidade de responder às exigências de fé, ensinada pela igreja, considerada então como a guardiã dos valores espirituais e morais de toda cristandade.

    ResponderExcluir
  25. Renata de Araújo moraes faria nº 37 1B27 de junho de 2013 16:28

    Santo agostinho: Explica as crenças de forma racional. Mas sempre Deus em primeiro lugar, para ele o homem não podia se salvar sozinho somente por Deus .
    São Tomás: Já era otimista em relação á figura do homem, ele tinha papel ativo na produção de conhecimento
    Diferença: Santo agostinho não era muito otimista em relação a figura do homem era Deus sempre em primeiro lugar e São tomás já crê que o homem tinha papel importante no conhecimento.

    ResponderExcluir
  26. Santo Agostinho foi um importante bispo cristão e teólogo. Sua base da filosofia foi devida a Platão, se expirando no neoplatonismo. Estudou por um tempo e um monastério, até que passou a ser bispo em Hipona. Acreditava que o saber era o caminho para a compreensão da palavra sagrada. E que apenas aqueles que tivessem o estudo entenderiam e veriam a verdade escrita na bíblia sagrada. Tentava entender como o corpo se ligava ao espirito, apesar de acreditar que Deus criou a matéria e todo o universo. Também defendia os contra ataques dos "pagaõs" e contra as heresias.
    São Tomas de Aquino foi fundamente influenciado pela filosofia criada por platão. Ele tenta aliar a fé cristã com o pensamento logico e racional. Sua primeira questão que tenta explicar e comprovar é a existência de Deus. Acreditava a alma humana havia sido criada por Deus e que mesmo depois da morte continuaria a existir, pois era eterna. Apresentou um filosofia que sobre a concordância da fé e da razão, que passou a ser ensinadas em escolas, acabando por ser denominada Escolástica.São Tomas acaba conseguindo estabelecer o perfeito equilíbrio entra a fé e a razão, mas sem separá-las.

    ResponderExcluir